primícias poéticas: facilite o amor

primícias poéticas


quinta-feira, novembro 27, 2008

facilite o amor

facilite o amor!
dê bom-dia pro cavalo,
pro vizinho e pro Senhor.
pra namorada, carinho.
pra mamãe dê uma flor.
faça jóia pro menino
que te olha da vidraça
e pro dia tão sem graça,
facilite o amor.
no ônibus lotado,
ofereça o assento.
pro espelho desanimado,
um sorriso de alento.
praquele velho amigo,
dê um telefonema.
pra tudo nesta vida,
escreva um poema.
seja todo ternura,
mantenha a postura ereta,
capricha no penteado,
use hoje sua roupa predileta.
facilite o amor,
que assim a ocasião
que faria o malfeitor
agora revelará o amante,
o filho, o amigo e o poeta.


- premiado com o 2º lugar do Concurso “V Prêmio Barueri de Literatura” - 2008
- publicado no Jornal Tribuna do Direito, ano 16, nº 188, edição de dezembro de 2008, pág. 29 – 35.000 exemplares.

da lapela de octavio roggiero neto às 12:05 AM

29 Comentários
Blogger Dauri Batisti disse:

Ae, NOTA 1000. Lindo, lindo.
Abração, filho.

9:00 PM  
Anonymous Anônimo disse:

Nunca deixo comentários, mas todos os dias acesso o blog para ler o que houver de novo!
E gosto muito..
Abraços.
Rita Corrêa

11:12 AM  
Blogger L. Rafael Nolli disse:

Meu camarada, muito bonito isso aqui! Uma utopia, sem dúvida - mas sem ela não haveria por que estar aqui agora escrevendo-lendo, ou mesmo vivendo esse momento: só uma certeza sobre isso tudo: o mundo seria (e muito) melhor se tudo isso estivesse sendo posto em prática por todos. A esperança persiste - um dia há de ser assim! Bonito mesmo!

7:05 PM  
Blogger Valéria disse:

faz-se licito... ou ilícito... mas faz-se.
um beijo

7:42 AM  
Blogger Dauri Batisti disse:

Passei aqui. Boa semana.
Tudo de bom.

8:59 AM  
Anonymous Beatriz disse:

Teus poemas são deliciosos de ler! Tua poesia prende, cativa, faz sonhar, faz sorrir... faz amar!

Foi muito agradável estar aqui!

Deixo sorrisos, flores e estrelas para enfeitar a tua noite.

8:48 PM  
Blogger Múcio L Góes disse:

assim tudo fica mais fácil.

[]´s irmão.

2:28 PM  
Blogger Remo Saraiva disse:

Lindão mesmo!!!

Abs,
REMO.

4:49 PM  
Blogger Daniel disse:

ah, faz tempo que não apareço por aqui, e, de cara, dou-me com este poema tão animador. foi muito bom lê-lo neste final de dia que se vai.
abração, octavius

10:14 PM  
Blogger Dauri Batisti disse:

Oi irmaozinho poeta, onde está você? Qual seu email mesmo?

6:33 PM  
Blogger Pedro Pan disse:

, teu poema me remeteu a vincius de moraes e cecília meireles.
então faciletemos os amores...
, sim, eu devo uma correspondência. e pagarei.
, abraços meus.

9:46 PM  
Blogger Poemas e Cotidiano disse:

Otavio,
Que coisa mais linda essa poesia.
Me emocionou.
Tem tudo a ver comigo.
Parabens pela inspiracao. Linda mesmo!
Beijos
MARY

9:09 AM  
Blogger Larissa Marques disse:

Posso te incluir no próximo bagaceira?

11:19 AM  
Blogger moacircaetano disse:

Rapaz, que coisa mais linda!

4:29 PM  
Anonymous Anônimo disse:

Fico com o pertinente comentário do Múcio, mas, honestamente, facilitar o amor é tarefa que nos exige disciplina quase que constante porque difícil nos é facilitar com essa nossa natureza humana. Bebamos da Fonte, do Dono do amor, onde o amor se faz responsabilidade e compromisso e não um sentimento que depende de vontade, de um querer ou não fazer.

Um grande beijo.

11:00 PM  
Blogger Mi disse:

nossa... q belo!

10:12 PM  
Anonymous Anônimo disse:

"[Amar] não é um sentimento, mas uma decisão que tomamos - uma decisão de tratar as pessoas de maneira que Jesus os trataria. Quando fazemos um compromisso real de andar em amor, isso geralmente causa uma imensa mudança em nosso estilo de vida. Muitas de nossas atitudes - pensamentos, conversas e habitos - têm de mudar. O amor é palpável; não é apenas um sentimento emocional, uma coisa espiritual que não pode ser tocada. É evidente a todos que entram em contato com ele."
(In: "Reduza-me ao amor" - Joyce Meyer)

9:17 PM  
Anonymous Rita disse:

Não está postando mais??
Abraço!

6:04 PM  
Blogger Dauri Batisti disse:

Ae, aguardamos novos poemas.

10:53 PM  
Blogger Rayanne disse:

Façamos do poema a bandeira, e da alegria nossa cor. Conclama o poeta, doces presentes em forma de amor. Seja feito! Seja real! Sejamos, como for.

**Estrelas**

10:33 AM  
Blogger Nadja disse:

Belo poema!




xD

12:25 AM  
Blogger Múcio L Góes disse:

"vamos nos pemitir!"

sdds, irmaozinho!

dps me passa teu endereço preu mandar teu livro, ne?

abraçao!

2:17 PM  
Blogger Remo Saraiva disse:

Aê, filhão, agora sou eu que pergunto: cadê você??

Abs saudosos,
REMO.

6:24 AM  
Blogger Mello disse:

"volta, que a platéia te reclama..."

12:09 PM  
Blogger Camila Lemos Barata disse:

Meu bem!!!

Saudade da peste!rs

Esse seu poêma encheu-me de mágia e decido que hoje não será um dia comum.

Vou celebra-lo por ares daqui
E vou rir contigo a simplicidade da bondade!

Um beijo alegre em você!

9:37 AM  
Blogger Remo Saraiva disse:

4 letras: KD VC???

11:57 AM  
Blogger J.F. de Souza disse:

Já tinha lido este...

E vamo concordá que É DUCARAI!!! Esse poema teu merece a premiação, sim!!!

E eu diria que mereceria o 1ro lugar, se eu não tivesse lido o "Enquanto é dia", que tá fuedaaaaaaaa!!!


1[], meu caríssimo!

3:28 AM  
Blogger Remo Saraiva disse:

Lido de novo!!
É "ÓTEMO" mesmo, irmão!!
To rindo á toa aqui com sua premiação! É como se fosse eu!
Mereces, meu caro e primeiro amigo-blogueiro-poeta!!
Curta e escreva sempre!

Abraço forte,
REMO.

4:12 PM  
Blogger octavio roggiero neto disse:

Olá. Gostaria de deixar consignado também o meu comentário: a linguagem que utilizei em facilite o amor é bem aquela usualmente vista nos trens e metrôs, que são uns dos meus principais habitats poéticos. Quem nunca leu nas bilheterias a expressão “facilite o troco”? É bem por aí: proponho este mesmo espírito de colaboração. Os verbos, usados no imperativo, foram assim colocados não como ordens. Absolutamente não. Quem sou eu para isso... Mas sim como sugestões e até como desafios. Apesar da pressa e do cansaço e de todos os contratempos diários, por que não exercitarmos a gentileza? Pequenos gestos custam pouco ou nada e fazem toda a diferença. Se a violência e a ira se alastram em cadeia, a solicitude e a ternura também. O querido Nolli escreveu que este poema é utópico. Não o vejo assim. Acho que temos uma grande aptidão para nos enervar, xingar no trânsito, resmungar, franzir testa, etc. Os tempos estão difíceis, está certo. Mas esse fato não pode ser usado como desculpa, deve sim ser encarado como uma motivação para mudanças de atitude. Viver este poema é um desafio também para mim, como disse na tarde de lançamento do livro primícias poéticas, na Livraria Martins Fontes da Paulista. Às vezes consigo, às vezes não. Mas o que importa mesmo é tentarmos ser cada vez melhores e a cada dia termos coragem e não medirmos esforços em nome do Amor. Mais que sentimento, que ele seja ação. No fim, estou certo disso, tudo valerá a pena.
Um abraço a todos.

10:17 PM  

Postar um comentário

<< Home