primícias poéticas: Julho 2007

primícias poéticas


sábado, julho 07, 2007

Musa,

de noite, bem de noite, observo teus silêncios

qualquer coisa que mereça um verso
se esquiva de minha vista cansada, agora

as horas arrastam o tempo para o vago
enquanto a acompanho com todo o meu ser
namorando as silhuetas desta insinuante solidão

tenho uma caneta singela
que me borra sempre a mão de indelével desassossego

aprendi contigo as palavras difíceis
e as sensações dissonantes

eu não conhecia o indizível
até que tua aparição me cegasse do irreversível espanto
do fascínio mais sublime e terrível que poderia

mas não adianta, porque o que amo em ti
é o que não se disse
o que não se revelou
e o que talvez nem seja

aprendi, sobretudo,

depois que me lancei aos precipícios de teus olhos
que a Poesia prescinde de palavras

de noite, bem de noite, observo teus silêncios

meu corpo exausto adormece
em meio aos despojos de tua ausência
largado às taças vazias e aos sonhos desacorçoados

sem menos nem mais, nada mais...



- declamado pelo locutor português Luís Gaspar, no programa Lugar aos Outros 73 de seu audioblog Estúdio Raposa.

da lapela de octavio roggiero neto às 3:57 AM | 10 poetas-leitores