primícias poéticas: passagem

primícias poéticas


terça-feira, dezembro 18, 2007

passagem

um quarto de século recluso,
trancafiado no arcabouço da vida;
imerso entre o etéreo e a utopia.

desesperadamente eu te sonhei
todos os dias
(no silêncio de quem nada pede),
na despedida das estações.

florescem os girassóis

o destino é moeda
sem reverso.

espíritos seremos
na eternidade do minuto.


completo hoje 25 anos de vida. então, para comemorar, escolhi o poema passagem, da autoria de meu pai, de seu livro póstumo “poema anônimo na manhã de ontem”. mais que circunstanciais, são versos que tenho na ponta da língua e que sempre me disseram muito. poucas e boas palavras!

da lapela de octavio roggiero neto às 12:23 AM

4 Comentários
Anonymous Bera disse:

Dizem muito a mim também Octávio, "no silêncio de quem nada pede" me pegou pela garganta, o poema me fez um enorme bem ainda mais porque li pensando que era seu.
Parabéns pelos 25, um grande abraço

3:08 AM  
Blogger Keila Sgobi disse:

Pois é por isso mesmo que estou aqui!
Lembrei-me ao ler a data de minha postagem!
E eu que pensei que fosse mais jovem que você. Esqueci-me que deixei o colégio e você ainda passou por lá mais um ano...

Que as auroras vindouras tragam cada vez mais brilho e vivacidade à luz da sua vida poética!

Beijos e grande abraço!

Keila Sgobi

8:48 AM  
Blogger Tiago disse:

meus parabéns. pelo aniversário e pelo talento do pai.

6:54 PM  
Blogger Pedro Pan disse:

, grande octavio terceiro, meus parabéns garoto. pelo aniversário, pela amizade e pela poesia! salve!
, abraços meus.

12:40 PM  

Postar um comentário

<< Home