primícias poéticas: dechover

primícias poéticas


quarta-feira, janeiro 10, 2007

dechover

esperar esperar debaixo dos toldos
minutos a fio esperar
o ímpeto das águas
num belo dia de trovoadas

bolar estratégias pra chegar no ponto
driblar poças, ousar atalhos
calcular os saltos
chegar aos sobressaltos

(janeiro é embaçado dentro dos ônibus!)

depois, em casa
com os pingos nos is e no abecedário todo
escrever o que nos dá na telha

da lapela de octavio roggiero neto às 8:43 PM

15 Comentários
Blogger Jéssica disse:

'dechover'
Lindo isto e dá uma bela duma reflexão em cima.
Preciso me dechover.
É muita água Brasil afora, né?
Mas no nordeste muita seca.
Beijos e bom fim de semana*.*

7:42 AM  
Blogger Juliana Marchioretto disse:

eu diria que janeiro também é embaçado dentro dos ônibus. meu post de ontem conta minha última experiência...

beijos

11:48 AM  
Blogger Luzzsh disse:

Oi querido,

E, o que "te dá na telha" é tão belo quanto a chuva que também tem "dado" tanto nelas (as telhas), rs....

Escorro os olhos pelo que escreves com prazer e matando sede.

Beijos...

1:33 PM  
Anonymous diovvani disse:

Deixe Poeta, deixe mesmo chover poemas em sua telha e respingar no meu telhado de sapé - eu gosto por demais dessas suas águas aqui. MontanhosoAbraçoDasMinas.

6:32 PM  
Blogger A czarina das quinquilharias disse:

ótemo final!
bjo

6:55 PM  
Blogger ALF O Extasiado disse:

Não sei, não ando de õnibus (mas antes que imagine que saio de carro, eu só ando de bicicleta quer dizer pedalo). Mas deve ser.

Este texto está de chover hei. hehe

abraço

3:12 AM  
Blogger débora fernanda corrêa disse:

tô precisando de uma chuvinha amena porque na minha telha não tem chovido nada e tudo que tenho são papeis mofados, guardados de outrora.
Ah sobre o "meu irmão"(comento aqui mesmo para evitar a fadiga do domingo À tarde): os irmãos devem ser temas inspiradores não é´, ou seria a infância? Para lhe dar as mãos publiquei "no quarto" dedicado ao meu irmão pequeninho.
beijinhos virtuais com carinho presente.

2:59 PM  
Blogger Múcio Góes disse:

poesia é isso, e até debaixo d´agua se faz brotar, e o Poeta astuto extrai belos poemas dessa água bendita.


abraços!

7:35 PM  
Blogger daniel batista de siqueira disse:

Este comentário foi removido pelo autor.

11:54 PM  
Anonymous Alessandra disse:

Lindo poema ! Vc escreve muito bem !

3:05 AM  
Anonymous paulina jello disse:

corra, escorra!
:)

11:53 AM  
Anonymous ediney disse:

são versos dos re-cantos e dos cantos do mundo

1:04 PM  
Anonymous Pedro Pan disse:

, fora de os ônibus os dias estão um tanto molhados e cheios de enxurradas. mas com poesia em o dia a dia...
, inté.
|abraços meus|

4:38 PM  
Blogger Ellemos disse:

Demais isso aqui! Melhor é quando se consegue fazer, do fazer o que dá na telha, uma bela poesia!

11:37 PM  
Anonymous Anônimo disse:

Me lembra o filme que alguém lembrou ao escrever um poema num blog que não lembro. ;)


Abração!!

REMO.

6:51 PM  

Postar um comentário

<< Home